sexta-feira, dezembro 24, 2010

Nasceu Jesus Cristo, Minha Fé e Minha Esperança!


E o Verbo se fez carne e habitou entre nós...(João 1, 1-18)

Era o desejo mais profundo do nosso coração. E hoje tornou-se realidade: Deus desceu do Céu e veio partilhar connosco a nossa realidade. Deixou de haver barreiras entre nós e Deus.
Hoje é o dia da alegria que nasce da beleza do gesto de Deus. Do caminho de liberdade que Ele nos aponta. Uma alegria que se faz programa de vida: a nossa vida pode ser a casa onde Deus mora.
Onde moras Deus? Aí onde há um coração que O acolha!
Podemos fechar-Lhe a porta. Mas aí acaba a luz porque Ele é a luz. E sem a sua luz, acaba a vida, a alegria, a esperança...
Natal é acolher o Deus que vem ao nosso encontro. Para que Cristo possa viver em nós e nós NELE.
Acolher Deus é dar-Lhe espaço na nossa vida. Estar disponivel para que a Sua presença ponha em causa os nossos projectos, os nossos esquemas.
Natal, acolher a Deus, não é questão de um dia. É um estilo de vida.
Ou é Natal todos os dias ou nunca é Natal.

Senhor Jesus, venho ter contigo, como os pastores. Como eles, tenho pouco para Te oferecer.
Recebe o meu empenho de te deixar morar no meu coração.
Dá-me a alegria de te ver no rosto dos meus irmãos.






FELIZ NATAL


Abraço Fraterno!
Arménio Rodrigues

sábado, novembro 27, 2010

Viver o Advento


Estamos a começar o Advento. É um tempo para preparar o Natal. Ele é para todos, porque o Natal é também para todos. Vamos dando conta, a cada momento com maior nitidez, de que o Natal cristão está a ficar muito escondido dentro das nossas casas e igrejas, e até dentro de nós próprios. O consumismo e a publicidade, a rotina e a indiferença são também algumas razões que têm eclipsado o sentido da vida, o sentido da fé e da esperança. Sem ficarmos fora da órbita da vida, precisamos de corrigir o percurso da vida cristã: não só não podemos perder o sentido do Natal hoje, como também precisamos de o desenvolver sempre mais no suporte de uma fé, esclarecida e forte, para uma vivência da esperança, fundamentada e comprometida. .  A caminhada da preparação para o Natal não é mais um adorno exterior, porventura até enriquecedor da liturgia do tempo, mas uma ocasião fundamental para darmos um ou mais passos para a frente. É um Tempo para aprender a esperar Deus que vem ao nosso encontro. Mas como se faz para preparar um encontro com Deus? A Palavra de Jesus é clara: "Há que acordar!" Que estar praparados para a mudança. Acima de tudo, há que despertar o coração. Às vezes, temos o coração pesado demais. Preocupações, desilusões, enganos, falsos deuses, valores insignificantes...há muita coisa a tornar pesado o nosso coração. E vivemos, como que anestesiados. Sem capacidade de reagir com entusiasmo e energia diante de um acontecimento inesperado.
O Advento é o tempo da esperança verdadeira. O Tempo em que Jesus Se encontra com cada um de nós e mostra a bondade do Pai. Mas há muita gente que não consegue ver esta verdade poderosa. Para ver Deus que Se revela é preciso ter o coração dos pequenos, o coração puro, capaz de se abrir à LUZ. 
O Advento é como uma obra de engenharia. É um tempo para avaliar a qualidade do terreno sobre qual construímos a nossa casa, a nossa vida.
Temos coragem de escavar mais fundo, à procura da rocha verdadeira que é CRISTO? Ou contentamo-nos com terrenos frágeis, sempre instáveis e movediços, incapazes de dar solidez e dignidade ao nosso futuro? Escavar em profundidade não é só escutar a Palavra de Deus: é pô-la em prática! Transformá-la em gestos concretos
 É importante, por isso, que toda a comunidade cristã (crianças, adolescentes, jovens e adultos), individualmente e em grupo, se empenhe neste processo. O Natal não é o passado histórico, celebrado de forma mais ou menos romântica e folclórica, mas é o presente da fé comprometido com o futuro esperado e possível. DEUS não é o passado: É o hoje e o amanhã.

Temos esperança em Deus? As pessoas acreditam em nós quando dizemos que somos alegres em todas as situações porque sabemos que Deus está connosco?
O amor de Deus não perdoa apenas e sem mais…deve provocar a nossa conversão. Damos espaço a Deus para ter uma opinião sobre a nossa vida?
O que dinamiza o mundo é o amor… nunca o medo… em situações em que temos poder, usamo-lo para atemorizar os outros?
Só tem mesmo esperança em Deus quem reza. Rezamos?
Os bens de que dispomos são, em última análise, dom de Deus. Somos capazes de os partilhar? Já nos lembrámos de proporcionar um Natal mais digno a alguma pessoa ou a alguma família?
Praticamos ou praticámos algum acto de violência contra alguém (física…psicológica)?

Lucas 3, 1-6

«Uma voz clama no deserto:
Preparai o caminho do Senhor e endireitai as suas veredas.»

Deus enviou o seu profeta, João Baptista, a preparar a chegada do Messias Jesus. Em nome de Deus, o profeta convida à mudança. Ele fala de estradas direitas e de montes aplanados. Mas poderia falar de justiça, do fim da opressão dos mais fracos, da chegada de um tempo de verdade e transparência.
Hoje cada um de nós, é a voz profética que Deus envia aos nossos dias para anunciar a proximidade de Deus. Como? É hora de inventar gestos que convidem os nossos amigos, os nossos vizinhos, os nossos familiares... a uma atitude nova. À Esperança. A abrirem o coração à novidade de Deus.

Video: ADVENTO





Deus tem um desejo. Grande. Profundo. Que não fique ninguém de fora. Deus, ao contrário de nós, nunca dirá: "Desisto de ti. Tentei mas não me ouves... nada a fazer."
Ele escolheu-nos. a cada um de nós, pelo nome. E não desiste de nenhum de nós. Nunca. Sempre virá á nossa procura, mesmo quando Lhe virarmos as costas. mesmo quando O recusarmos. Jesus veio até este mundo, como pastor à procura das suas ovelhas perdidas. À procura de cada um de nós.
João Baptista e Jesus mostraram com os factos e com a autenticidade das suas vidas que é preciso tomar decisões. Escolher. Optar entre as tantas possibilidades que temos...
A multidão que acompanha Jesus prefere não escolher. Prefere estar sempre no "contra". Decidir-se por Jesus, pelo seu estilo de vida é difícil. Mas belo! Se estiveres disponivel para a autenticidade, a simplicidade, se te tornares amante da vida e da verdade, serás capaz de aceitar a sabedoria de Jesus e o Seu Evangelho.

Tantas vezes, Senhor, fico com as ideias confusas...
Ouço tantas opiniões diferentes, tão atraentes, tão fortes...
Onde está a verdade? Olhando para o teu estilo de vida, para os teus gestos de amor constante, descubro que Tu és a única sabedoria. Ajuda os meus gestos a serem como os teus, o meu coração a amar como o teu!

Video: Ao Encontro da Luz



Vem, Senhor Jesus.
Com a força da Tua Ternura.
Com a energia poderosa da Tua Presença.
Com o fogo da Tua Novidade.
E muda as nossas existências mesquinhas.
E transforma-nos.
E acorda-nos para o que é realmente importante.
VEM SENHOR JESUS!!!




1º Domingo de Advento


Evangelho segundo S. Mateus 24,37-44
Naquele tempo disse Jesus aos discípulos:
Como foi nos dias de Noé, assim acontecerá na vinda do Filho do Homem.
Nos dias que precederam o dilúvio comia-se, bebia-se, os homens casavam e as mulheres eram dadas em casamento, até ao dia em que Noé entrou na Arca; e não deram por nada até chegar o dilúvio, que a todos arrastou. Assim será também a vinda do Filho do Homem.
Então, estarão dois homens no campo: um será levado e outro deixado; duas mulheres estarão a moer no mesmo moinho: uma será levada e outra deixada. "Vigiai, pois, porque não sabeis em que dia virá o vosso Senhor. Ficai sabendo isto: Se o dono da casa soubesse a que horas da noite viria o ladrão, estaria vigilante e não deixaria arrombar a casa. Por isso, estai também preparados, porque o Filho do Homem virá na hora em que não pensais".

Luzes do Evangelho

No Evangelho deste 1º Domingo de Advento vemos Jesus a alertar os seus ouvintes com a história de Noé. Por vezes, os homens esquecem que devem tudo a Deus e não desejam nada mais do que "gozar" a vida. Chega o dilúvio, as águas vão subindo e invadem toda a terra.
Dilúvio... como não pensar na invasão de publicidade, de solicitações e convites que entram constantemente pelos nossos olhos e nos entram no coração?
Muito depressa podem subir as águas, da indeferença, do egoísmo, do "cada um que se amanhe". Ao principio não passa de uns pingos. Nem lhes damos atenção; mas depois, pouco a pouco, inundam-nos a vida toda, impedem-nos de pensar nos outos, impedem-nos de pensar em Deus.
E somos apanhados de surpresa, como nos dias de Noé: já não há nada nem ninguém para nos alumiar.
Mas...todoos dias Jesus se faz convidado da nossa vida. Quer ajudar-nos a transformá-la, a torná-la mais agradável.

Abre o teu coração e mostra a Jesus as tuas "doenças", as tuas fragilidades e fraquezas, as feridas que carregas, a fé ainda vacilante...
Deixa que Jesus olhe para ti e te diga: "Queres ficar curado?"
Jesus é maior do que o teu coração, do que as tuas forças. Ele é capaz de te dar uma vida radicalmente nova.

Senhor, dá-me olhos novos!
Capazes de ver o que se passa realmente no meu coração.
Olhos que não se fiquem nas aparências.
Olhos capazes de apreciar a verdadeira beleza.
Olhos capazes de escolher a estrada certa.
Olhos capazes de olhar a alegria e a força da Tua Luz!

Publicado em 1 de Dezenbro de 2010


2º Domingo de Advento

Evangelho segundo S. Mateus 3,1-12

Naqueles dias, apareceu João Baptista, a pregar no deserto da Judeia. Dizia: "Convertei-vos, porque está próximo o Reino do Céu". Foi deste que falou o profeta Isaías, quando disse: Uma voz clama no deserto: "Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas".
João trazia um traje de pêlos de camelo e um cinto de couro à volta da cintura; alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre. Iam ter com ele os de Jerusalém, os de toda a Judeia, e os da região do Jordão, e eram por ele baptizados no Jordão, confessando os seus pecados.
Vendo, porém, que muitos fariseus e saduceus vinham ao seu baptismo, disse-lhes: "Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da cólera que está para vir? Produzi, pois, frutos, dignos de conversão e não vos iludais a vós mesmos, dizendo: "Temos Abraão por pai!" Pois digo-vos:
Deus pode suscitar, destas pedras, filhos de Abraão. O machado já está posto à raiz das árvores, e toda a árvore que não dá bom fruto é cortada e lançada ao fogo.
Eu baptizo-vos com água, para vos mover à conversão; mas aquele que vem depois de mim é mais poderoso que eu e não sou digno de lhe desapertar as sandálias. Ele há-de baptizar-vos no Espírito Santo e no fogo. Tem na sua mão a pá de joeirar; limpará a sua eira e recolherá o trigo no celeiro, mas queimará a palha num fogo inextinguìvel".

Luzes Do Evangelho

João Baptista aparece aqui com aspecto de um profeta enigmático. O seu jeito de vestir e de se alimentar causam-me espanto, mas aprecio sobretudo a força das suas palavras. Ele quer despertar os ouvintes. E diz que o corrigir os maus hábitos não se pode deixar para amanhã: Deus está muito perto. João Baptista propõe então que vivam um baptismo de conversão, ou seja que tomemos uma atitude de mudança. Mergulhando completamente na água do Jordão, cada convertido manifesta que está pronto a deixar o que há de mau nele para empreender caminhos novos. Converter-se è mesmo transformar-se, mudar de rumo, fazer novas escolhas, e não voltar aos caminhos que não levam a parte nenhuma!

Pelo baptismo cada cristão é chamado a entrar por completo na vida de Deus. Só se é baptizado uma vez, mas Jesus vai pedir que nos "lavemos" o mais amiúde possível, aproximando-nos dos outros. A indiferença faz que fiquemos bem secos de pés e de coração. Mas o Reino que queremos alcançar obriga-nos a seguir outro caminho...

Deus avisa. Deus manda-te muitos profetas, muitos sinais, muitas vozes. E todas te dizem o mesmo: "Prepara o caminho." Prepara-te para o encontro com Cristo. Não continues preso nas tuas rotinas, na tua mediocridade, na tua apatia.
O Senhor está a chegar. Ele vem... vem para ti, para mim... muda o que tiveres a mudar para que o encontro com Ele seja de festa. Para que a bela notícia que Ele traz possa encher-te de alegria e gozo.

Senhor, limpa-me os ouvidos. E assim poderei escutar melhor os teus profetas.
Abre-me os olhos. E poderei ver os sinais que mostram a Tua chegada.
Acalma-me o coração para que todo o meu ser deseje encontrar-me contigo.

Vídeo: Preparai o Caminho do Senhor




Publicado em 8 de Dezembro de 2010


Imaculada Conceição

Uma Luz importante no nosso caminho


Todos os anos celebramos uma grande festa no dia 8 de Dezembro: a Imaculada Conceição de Nossa Senhora. Esta expressão quer lembrar-nos que Maria nasceu à perfeita imagem de Deus, sem qualquer falta, sem pecado. Desde o seu nascimento, Deus a protegia. Deus amava-a como a todas as crianças da terra, ricas ou pobres, doentes ou saudáveis. Mas além disso, Deus contava com Ela para que pudesse um dia ser a Mãe de Jesus. Assim Maria foi uma menina como as outras, uma mulher comum do seu tempo. Vivia atenta à Palavra de Deus, pondo-a em prática. Pode dizer-se que deixava irradiar perfeitamente nela o amor que Deus lhe tinha.

Maria quer partilhar com quem ama, a alegria que lhe vai no coração: Deus fez nela coisas maravilhosas! É uma atitude natural para os cristãos. A nossa fé não é uma prisão nem uma obrigação. É uma resposta de alegria às maravilhas que Deus faz nas nossas vidas. Por isso, hoje é dia de partilhar com alegria. De dizer aos outros o que nos vai no coração. Não tenhamos medo se não encontrarmos as palavras certas, o importante é comunicar, fazer como Maria. Dizer que Deus não é uma ideia abstracta: é uma presença no meio de nós que dé um sabor novo à nossa vida. QUE MUDA TUDO!

Senhor Deus, ajuda-me a aprender como Maria a escutar a Tua palavra. Ela escutava aTua palavra, guardava-a no coração ao ponto de se fazer carne na pessoa de Jesus. Ajuda-me a meter Jesus no centro da minha vida.



Vídeo: MARIA IMACULADA



Publicado em 11 de Dezembro de 2010


3º Domingo De Advento





Evangelho segundo S.Mateus

Naquele tempo, João Baptista estava no cárcere. Tendo ouvido falar das obras de Cristo, enviou-lhe os seus discípulos com esta pergunta: "És tu aquele que há-de vir, ou devemos esperar outro? Jesus respondeu-lhes: "Ide contar a João o que vedes e ouvis: Os cegos vêem e os coxos andam, os leprosos ficam limpos e os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e a Boa Nova é anunciada aos pobres: E bem-aventurado aquele que que não encontra em mim ocasião de escêndalo". Depois de eles terem partido, Jesus começou a falar às multidões a respeito de João: "Que foste ver ao deserto? uma cana agitada pelo vento? Então que fostes ver? Um homem vestido de roupas luxuosas? Mas aqueles que usam roupas luxuosas encontram-se nos palácios dos reis. Que fostes, então, ver? Um profeta? Sim, eu vo-lo digo, e mais que um profeta. É aquele de quem está escrito: Eis que envio o meu mensageiro diante de ti, para te preparar o caminho. Em verdade vos digo: entre os nascidos de mulher, não apareceu ninguém maior do que João Baptista; e, no entanto, o mais pequeno no Reino do Céu é maior do que ele".

Luzes Do Evangelho

Quando nos nossos dias ouvimos falar de "Boa Nova", pensamos certamente no Evangelho. Mas para os cristãos a Boa Nova é antes de mais esta imensa marca de amor que JESUS nos deixou com suas palavras, seus gestos e sua vida.
Os cegos que começam a ver, os coxos que passam a andar... são com certeza coisas que parecem incriveis. Mas estes gestos de cura mostram-nos que Deus se interessa pela humanidade, que o Salvador esperado já chegou. poderíamos dizer: quando virdes acontecer coisas tão belas, quer dizer que Deus está muito perto de vós!
Sabemos que a inteligência do homem e o progresso da ciência permitem em nossos dias tratar e curar terriveis doenças. Mas dar amor aos outros e aceitar o amor deles também permite curar feridas interiores, como tristezas e desgostos. Também nestes gestos de partilha nós sabemos que Deus está próximo e que nos mantemos no caminho certo.
Agora, é importante que cada um de nós, se faça seu "profeta": em pequenas coisas mostraremos que Deus está bem presente na nossa vida e que se interessa por nós.

Video: The Prayer


video


Eu quero louvar-Te, Senhor, pelos sinais de liberdade que puseste no meu caminho.
Que me ajudam a perceber a imensidão do amor que me tens.
Que me convencem que a minha vida tem valor.
Que me mostram que não estou sozinho diante das minhas dificuldades.



Continuação de Bom Advento!

Abraço fraterno.
Arménio Rodrigues


sexta-feira, novembro 19, 2010

Acompanhamento Pessoal


Já certamente te aconteceu ir a um banco e receberes «atendimento personalizado». Parece que és a pessoa (pelo menos naquele momento) mais importante do mundo: atenção especial, delicadeza, muitos sorrisos. Mesmo sabendo que nos estão a meter a mão ao bolso numa operação financeira que nos vai ficar cara... Com as «gentes do mundo» podemos aprender a ter também para com os nossos destinatários um «atendimento personalizado».
Cheio de simplicidade e familiaridade. Marcado pelos valores do evangelho, que nos leva a sair de nós mesmos para ajudarmos os outros a tomar decisões serenas como Jesus nos pede viver.

O «acompanhar» supõe fazer «companhia» e ser «companheiro» de viagem na vida de quem temos diante. Ser companheiro é estar ao lado. Porque ninguém pode substituir o outro no seu processo de crescimento. É preciso partilhar a vida enquanto se caminha: escutar e acolher as preocupações, compreendendo valores e situações. Suscitando sempre a procura de sentido e ajudando a criar uma resposta positiva diante das mil e uma encruzilhadas que vamos encontrando.

São «três» os protagonistas do acompanhamento pessoal: quem acompanha, quem é acompanhado e o Espírito. Quem acompanha deve mostrar a empatia suficiente para criar confiança, viver de uma forma «significativa e coerente» os valores do Evangelho, saber usar da prudência e dessa sabedoria ímpar que supera os manuais mais eruditos, mais vazios de vida intensamente vivida: Com responsabilidade e grande sentido de Deus. Quem se deixa acompanhar abre os seu «espaços interiores» ao diálogo com a experiência e o «saber» de quem acompanha. Com liberdade, confiança e verdade, deixando-se interpelar. E o Espírito? O Espírito é mestre oleiro que acompanha um e outro de forma silenciosa, como dom e graça, para que este «acompanhar» se faça em direcção a um horizonte de esperança e vida em Deus. Em resumo, rico de «espiritualidade».

O acompanhamento pessoal exige dos «acompanhantes», uma grande disponibilidade para «estar com» e intuir nas pequenas coisas, os grandes desafios da vida de quem temos diante. Criando à nossa volta uma verdadeira «escola de vida» e espiritualidade que suscita interrogações e dá razões de fé e esperança. Sem manipulações nem simplismos. Sabendo conduzir as nossas crianças com doce firmeza a metas exigentes de fidelidade cristã e a propostas de santidade alegres.

A missão de «acompanhamento pessoal» exige um testemunho pessoal construtor de um ambiente favorável ao encontro, à confiança, e à empatia. À partida pode parecer que, nesta tarefa de «acompanhar o outro», ninguém está à altura...Certamente são necessárias algumas técnicas, algum saber. Mas, como em tantas outras situações, a omissão e o absentismo são negativos. Quando virmos que é precisa uma palavra de encorajamento e ânimo; quando percebermos que o nosso testemunho ou o nosso «companheirismo» podem ser importantes, não abdiquemos de actuar. Uma palavra ao ouvido e um conselho ajustado podem ser essenciais no crescimento dos nossos destinatários. Importante é começar. Mesmo pobres de grande ciência, a nossa sabedoria (feita de coisas simples) é sempre uma mais-valia diante da incerteza do outro. E com algum treino e formação específica podemos sempre melhorar. Começa pelo «atendimento personalizado».
Com simplicidade familiaridade.
Lança-te: deixa depois que o Espírito actue em ti!


Vídeo: ESPÍRITO SANTO


Abraço fraterno!
Arménio Rodrigues

quarta-feira, setembro 01, 2010

Caminho Verdade E Vida!


Na história da Igreja mais recente conhecemos a vida e o chamamento de muitos cristãos e a sua missão e serviço na comunidade cristã. Como descobriram eles esse chamamento?
Quase sempre a partir de uma dupla experiência ou, talvez melhor, através de uma experiência com dois sentidos, com duas faces:- o encontro com Deus e o encontro com os mais pobres ou com as necessidades da Igreja e dos homens. São cristãos que não passaram ao lado das angústias e aflições dos outros, mas se tornaram "bons samaritanos", instrumentos e sinais do Amor e da misericórdia de Deus. Hoje, como no tempo de Moisés, Deus continua a escutar os gritos de aflição e sofrimento do Seu Povo, de todos os homens; continua a chamar os cristãos, pessoalmente ou através de grupos, associações, ordens religiosas; e continua a enviá-los. Poderia citar muitos testemunhos: S. Vicente de Paulo e os pobres do seu tempo; S João de Deus e os pobres e doentes; S. João Bosco e os jovens abandonados; Madre Teresa e os moribundos de Calcutá; missionários e missionárias com a sua ânsia e inquietude pelo anúncio da Boa Nova a tanta gente e tantos povos a quem ela ainda não chegou; cristãos das nossas paróquias face às necessidades urgentes e gritantes das pessoas, que levam ao empenhamento em gestos e acções de solidariedade, procurando melhores condições de vida para todos. E poderia continuar a evocar muitos outos testemunhos...
Mas... e nós, catequistas? Porque somos catequistas? Como fomos chamados para esta missão? Como nos sentimos interpelados?
Fomos nós que nos julgámos os melhores catequistas do mundo? Fomos nós que nos auto-propusemos? Foi por dinheiro, glória, honras ou prestigio? Certamente que não! Soubemos pelo nosso Pároco ou por outra pessoa da comunidade que faltavam pessoas para serem catequistas, que havia ainda crianças que não tinham quem lhes anunciasse a Palavra de Deus. Ou fomos chamados directamente pelo Pároco que veio ter connosco. Aí está: uma necessidade da comunidade que nos sensibiliza e inquieta, que nos "toca" e á qual não somos capazes de ficar indiferentes; por isso respondemos positivamente. Uma necessidade que cria, que gera a vocação e o CHAMAMENTO!

VÍDEO: CAMINHO VERDADE E VIDA


Um Abraço
Arménio Rodrigues

terça-feira, julho 13, 2010

Deus

.
Deus é um amigo que estabelece com o povo um pacto de amizade, que o protege no caminho e que suscita uma resposta de confiança e cumprimento da Lei; é ainda um Deus que convoca o povo e o põe a peregrinar para o futuro, para a Promessa, para o reino da vida autêntica.
.
No Antigo Testamento, Deus não é chamado e conhecido como «Pai». Mas é um Deus que cria, que liberta e oferece uma lei que dá e possibilita a VIDA.
Deus não é Pai porque gera de forma fisica, mas porque chamou os filhos de Israel para serem um povo de homens livres. É Pai porque ama e porque escolhe um povo e o guia segundo o caminho da Lei, conduzindo-o a uma terra de liberdade. Desta forma, quase sem usar a palavra "pai", os hebreus começaram a realizar a grande revolução religiosa do símbolo paterno.
.
No Novo Testamento, principalmente nos Evangelhos, podemos descobrir os traços principais da paternidade de Deus, de um Deus que só se descobre à medida que se nasçe de novo, acolhendo o Reino de Deus entre nós.
Deus é Pai, dá a vida numa atitude de graça. Por isso, a descoberta da paternidade divina só é possivel de se descobrir à medida que se aceita nascer de novo, fazer a experiência de um novo nascimento, deixando-se amar por Deus em atitude de acolhimento gratuito. Por isso, Jesus definiu os crentes como "crianças" (Mc 9, 33-35).
Deus é Pai, perdoa os homens. Porque Deus ama de modo gratuito, permite o renascimento daqueles que já estavam mortos no mundo e para os donos do mundo: coxos, aleijados, cegos, pecadores, prostitutas... agora todos, não apenas alguns, são herdeiros da herança divina: serem filhos de Deus. Quando o pai recebe o filho mais novo, oferece-lhe um novo nascimento, o filho mais velho percebe que tem de mudar de vida e percebe que a "paternidade" não está no cumprimento cego da lei, mas sim no AMAR e deixar-se AMAR.
Deus é Pai, em diálogo constante com os homens. Deus está em profunda intimidade com os homens, numa intensa proximidade. Deus não está fora da humanidade, nem dentro dela, confundindo-se. Deus é companheiro de caminho que nos permite viver da vida divina, oferecendo-se em gestos de gratuidade e proximidade. O Mistério de Cristo, a possibilidade de participar nesse Mistério, permite compreender que o Filho permite-nos conhecer e venerar o Pai. Aqui chegamos ao centro do Mistério cristão: a experiência pascal. Deus revela-se plenamente como Pai ao ressuscitar da morte o Filho Jesus Cristo. Só assim O conhecemos na Sua totalidade. Deus é Pai como amor fundador e final, que ressuscitará a humanidade da morte, porque já ressuscitou o Seu Filho Jesus, primogénito de toda a humanidade.
.
.
Vídeo: TU ESTÁS AQUI

.

Abraço fraterno!

Arménio Rodrigues

segunda-feira, julho 05, 2010

Presença de Deus


A vida agitada da nossa civilização automatizada e d0 nosso desenvolvimento tecnológico vai cada vez mais afastando o homem do contacto directo com a natureza, tornando-o cada vez mais insensível à maravilha do universo e cego em face a tantas belezas naturais. É preciso um certo esforço para voltar às bases e descobrir as atrações que o universo nos oferece. Não é preciso fugir para o fundo das matas para ver o que a flora tem de maravilhoso. Contemplar a beleza de uma flôr do jardim, sentir-lhe o perfume por alguns instantes de repouso já significa levantar um pouco o véu que esconde o tesouro das belezas naturais e deixar que esse espectáculo faça jorrar mais optimismo na nossa mente. Não é preciso retirar-se das concentrações urbanas para acolher o que a fauna nos oferece de reconfortante para a mente. Basta abrir os olhos e ver. No mistério da vida dos mais pequenos insectos escondem-se tesouros de belezas naturais. Não é preciso ir muito longe para abismar-se com as riquezas que a natureza tem para nos oferecer. A felicidade encontra-se potencialmente em cada um de nós. Basta saber descobrí-la. Por isso, quem não pode, por um motivo ou por outro, fugir de seu ambiente corriqueiro de vida, por alguns dias, para ir desfrutar a paz de um lugar tranquílo perdido no interior, cercado de montanhas, rios e florestas, pode, por um pequeno esforço que com o tempo vai se transformando em hábito, criar em si mesmo esse ambiente reconfortante. O que deve ser evitado a todo custo é a mania de "ruminar" idéias pessimistas e repassar mentalmente os acontecimentos infelizes de nossa existência. O que deve ser procurado, incessantemente, é cultivar as idéias optimistas e apoiar-se nos sucessos para enfrentar as novas lutas. E tudo fazer para que não percamos a sintonia com a natureza e não nos privemos de seus encantos nem do seu criador!
Donde procede esta diversidade da vida? Quem decidiu sobre o curso dos astros que determinam o tempo do verão e do inverno, as sementeiras e as colheitas, o dia e a noite? Quem proporcionou a ordem às plantas e aos animais e concedeu a fertilidade à terra? Quem faz brotar a vida no seio das mães? O que é que existiu no principio e qual será o fim? Os homens que sofrem, queixam-se: quem faz estremecer a terra e provoca as inundações? Quem retém as águas para secar a terra? Donde vem a desgraça, a doença, a morte? Donde vem o mal e quem lhe dá o poder de encher o coração humano? Acabará o mal por vencer o bem? Será a morte mais forte que a vida?
Em todo o mundo se ouvem as mesmas interrogações que angustiam os homens.Os mais sábios de entre todos os povos buscam uma resposta. Falam do mistério dos começos, das obras da divindade e da sua história com a humanidade. Nós cristãos, acreditamos que “tudo procede de Deus”. Quero dizer com isto que o mundo e tudo o que ele contém não surgiu de si mesmo nem do acaso, mas surgiu porque Deus assim o quis; sem Ele não haveria VIDA. E é quando observamos a natureza que vemos a presença de Deus.Deus manifesta-se em tudo o que é vida, em tudo o que cresce...Ele está em tudo e em todos!

.

Video: Presença de Deus

video

Abraço Fraterno

Arménio Rodrigues

sábado, junho 19, 2010

Senhor, ensina-me a Rezar!


O que se passa quando não há disposição para orar? É bom rezar só naqueles momentos em que nos apetece ou quando estamos dispostos a isso? Deve-se rezar só quando faz falta? Só quando as coisas correm mal? Nos momentos de decepção, dor e tristeza não é fácil rezar.
Porque nem sempre é fácil rezar, devemos descobrir, para cada circuntância da nossa existência, a melhor forma de abrirmos o "nosso apetite" para o encontro com Deus, o Senhor das nossas vidas... tornando a Deus centro da própria existência. Dizia S. Paulo: "Estai sempre alegres, orai incessantemente, dai graças em todas as circunstâncias, pois esta é a vontade de Deus a vosso respeito em Cristo Jesus" (1Tes 5, 16-18).
Rezar é um encontro que se alimenta e favorece. Um encontro de alegria e vida. Um encontro que se torna necessidade vital. Um encontro que precisa de ser alimentado pela Palavra, pela disponibilidade, pela vida. Com tudo o que ela comporta e enriquece. De mil formas. Estar em silêncio; é uma oração. Estar em paz; é uma oração. Contemplar uma paisagem que desperta sentimentos de beleza e tranquilidade; é uma oração. Uma partilha, cujo centro é a predilecção de um Deus que é Amor. Que quer fazer-se vida na nossa vida. Com tudo o que ela é. Este "encontro" alimenta-se sobretudo na palavra de Deus. A palavra de sentido torna-se diálogo, partilha, compromisso. Na simplicidade de uma vida que é capaz de dizer, como Maria: em todo o tempo e lugar "a minha alma glorifica o Senhor... porque pôs os olhos na humildade da sua Serva" (Lc 1, 47)
.
.

Video com som: The Prayer
video
..
..

Abraço fraterno
Arménio Rodrigues

quinta-feira, maio 13, 2010

Salve Rainha!



A partir da mensagem de Fátima, a Igreja e o mundo encontraram fortes motivos de esperança: trabalhou-se pela paz; manteve-se viva a fé cristã, o nome de Deus não foi definitivamente aniquilado, a guerra nuclear não teve as proporções que se temiam; os blocos politicos e opostos desfizeram-se; os regimes materialistas e ateus caíram; o martirio dos crentes não fez perder a força da fé.
A mensagem de Fátima começa a revelar a sua actualidade e a sua universalidade, mesmo para o século XXI. As multidões continuam a afluir de todas as partes do mundo, de tal modo que no ano de 2009 passaram por Fátima peregrinos de 144 países. São milhares os lugares de culto, escolas, ruas, instituições que adoptaram este nome por o considerarem altamente significativo para a actualidade. São inúmeros os grupos de pessoas que, nos cinco Continentes, se reúnem em sintonia com as palavras de Nossa Senhora aos três pastorinhos e delas fazem as razões da sua confiança.
Fátima continua a ser sinal de esperança para o séc. XXI e vai ajudar a humanidade a repensar o lugar de Deus no mundo presente e futuro. Após os tempos da rejeição de Deus como concorrente do ser humano, com tudo aquilo que significou de perda de sentido da vida e dos valores que nos orientam, chega a altura de voltarmos a interrogar-nos sobre as questões fundamentais, sendo a primeira e mais importante, a de Deus.
A palavra de Nossa Senhora aos Pastorinhos tem ainda campo aberto para a sua realização: "O meu Imaculado Coração será o caminho que te conduzirá até Deus". A mensagem de Fátima proclamará a centralidade de Deus e a esperança de salvação que animará o nosso tempo e o nosso século. Será dessa forma um pólo de graça e de misericórdia a auxiliar a Igreja no anúncio da Verdade e na realização da sua missão. Esta é uma mensagem para todos os tempos, mas particularmente para o que vivemos.
A peregrinação do Papa Bento XVI é o sinal de que Fátima tem uma mensagem para o séc. XXI e de que, com Deus presente, a esperança da humanidade é possivel.
Rezemos pelo bom êxito da visita do Santo Padre ao Santuário de Fátima e a todos os devotos de Nossa Senhora os melhores votos de uma santa peregrinação, na comunhão com o Santo Padre Bento XVI.



Senhora de Fátima dá-me um pouco de Ti!





Abraço fraterno!
Arménio Rodrigues

segunda-feira, maio 03, 2010

Maria - A Primeira que Comungou



Maria nasceu à perfeita imagem de Deus, sem qualquer falta, sem pecado. Desde o seu nascimento, Deus a protegia. Deus amava-a como a todas as crianças da terra, ricas ou pobres, doentes ou saudáveis. Mas além disso, Deus contava com Ela para que pudesse um dia ser Mãe de Jesus.
Assim Maria foi uma menina como as outras, uma mulher comum do seu tempo. Vivia atenta à Palavra de Deus, pondo-a em prática. Pode dizer-se que deixava irradiar perfeitamente nela o amor que deus lhe tinha.
O "SIM"Quando o anjo Gabriel veio com toda aquela conversa que ela iria ser a mãe do Emanuel, mesmo sem perceber porquê, ela disse sim.Nasceu o menino e vieram as dificuldades, e sempre, diante de cada aventura (a fuga para o Egipto, a perda do Menino no Templo...) ela lá estava com o seu "sim".Complicado, não é?Foi a primeira que acreditou e se pôs a caminho para anunciar a Boa Nova à sua prima Isabel. E até, num certo casamento em Caná, ela lá estava para com Jesus a dar solução ao problema do vinho.Chegaram os tempos da paixão e morte de Jesus e, sem arredar pé, ela lá estava aos pés da cruz. Sabe Deus como...Não é difícil saber o seu nome: Maria, a mãe de Nazaré. Ela é para nós modelo de fé, modelo de seguimento de Jesus, modelo de vocação. Disse sim e pronto.A todos os que hoje queremos continuar a seguir Jesus, ela está aí para nos mostrar a meta. E a dizer-nos:- O caminho faz-se andando. Tu diz sim. Acredita. Depois, deixa que Deus faça maravilhas em ti, como fez em mim. E, como eu, torna-te portador e portadora de Jesus a todos. É tempo de dizeres o teu sim.Do teu sim nascerá uma aventura de amor. Tu, porque esperas? Ela espera por ti...



Vídeo - Maria, a primeira que Comungou



Um abraço fraterno!

Arménio Rodrigues

domingo, abril 04, 2010

Aleluia! Jesus Ressuscitou!



É a Páscoa do Senhor! Ressuscitou! Vive! E porque vive, enche de entusiasmo o nosso existir. Anima-nos à esperança. Anima-nos ao testemunho. Anima-nos à fé. É a festa da vida. Do encontro. Da partilha. Em Jesus ressuscitado somos convidados para o encontro com o Evangelho da verdade. Somos comunidade. Somos de Cristo. De Cristo vivo. Feliz Páscoa!


No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi de manhãzinha, ainda escuro, ao sepulcro e viu a pedra retirada do sepulcro. Correu então e foi ter com Simão Pedro e com o discípulo predilecto de Jesus e disse-lhes: «Levaram o Senhor do sepulcro e não sabemos onde O puseram».
Pedro partiu com o outro discípulo e foram ambos ao sepulcro. Corriam os dois juntos, mas o outro discípulo antecipou-se, correndo mais depressa do que Pedro, e chegou primeiro ao sepulcro. Debruçando-se, viu as ligaduras no chão, mas não entrou. Entretanto, chegou também Simão Pedro, que o seguira. Entrou no sepulcro e viu as ligaduras no chão e o sudário que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não com as ligaduras, mas enrolado à parte. Entrou também o outro discípulo que chegara primeiro ao sepulcro: viu e acreditou.
Na verdade, ainda não tinham entendido a Escritura, segundo a qual Jesus devia ressuscitar dos mortos.

O Domingo da Ressurreição, primeiro dia da semana é o começo de uma vida nova; uma nova criação; a libertação definitiva! Tempos novos! Sentido novo! Homem novo! Maria madalena, discípula do Senhor, não se aquieta à sua ausência. Vai procurá-Lo, prestar-Lhe homenagem, movida pela força do amor! Porque procurou, apesar da noite escura da ausência e da frieza do sepulcro, constatou a novidade: o sepulcro aberto e vazio! Jesus não estava lá! Afinal, a morte não é a última realidade!



Cada Páscoa, esta Páscoa, pode ser “um primeiro dia” na nossa vida. O início de uma vida diferente, porque marcada pelo sentido novo da Ressurreição. Apesar do escuro da nossa pouca fé, apesar do escuro de uma cultura do evidente e palpável, somos convidados à experiência de vislumbrar sinais de ressurreição anunciadores de uma vida nova! Com e como Maria Madalena e todos os apaixonados pelo Senhor, deixemo-nos mover pela fé e pela sede de Deus! Procuremos o Senhor vivo em nós, nos nossos ambientes, na Igreja, no mundo! Ele está vivo entre nós!

Vídeo-PÁSCOA







Abraço fraterno!
Arménio Rodrigues

domingo, março 28, 2010

Semana Santa


Na véspera de morrer, Jesus, que tendo amado os seus, amou-os até ao fim, deixou à Sua Igreja dois sinais do Seu amor – O Seu testamento… Primeiro: Amai-vos como Eu vos amei… Com um amor tecido de humildade e de serviço (exemplificado nessa noite ao lavar os pés aos discípulos). Segundo: Fazei isto em memória de mim. Dando aos seus discípulos o pão como Seu Corpo e o vinho como Seu Sangue, quis perpetuar a sua presença e comunhão de modo sensível. Os dois testamentos são inseparáveis, estão indissoluvelmente unidos.
Na sua missão, Jesus entrou em choque com a atmosfera de egoísmo e opressão que dominava o povo. As autoridades não estavam dispostas a renunciar aos mecanismos que lhes asseguravam poder, influência, e privilégios; não estavam dispostas a desinstalar-se e a aceitar Jesus como o Filho de Deus (Mc 1,1; 15,39). Tantas vezes de costas voltadas, os príncipes dos sacerdotes, os anciãos e os escribas estão, finalmente, de acordo: não querem perder a oportunidade para acabar com Jesus. Os inimigos juntam-se na mesma condenação. A partir daqui, Jesus torna-se um “objecto”, com as mãos atadas, mas que vai passando de mão em mão: os que O prenderam levam-n’O ao sinédrio, estes entregam Jesus a Pilatos, este aos soldados e, por fim, os soldados levam-n’O à cruz! O seu corpo, entregue por nós, passa de uns para outros, de maneira que todas as mãos dos pecadores recebam o dom. Preocupa-me, Senhor, que no nosso mundo não haja lugar para Ti, para o Teu projecto de amor, para os Teus gestos que provocam inveja, para as Tuas palavras que desinstalam e incomodam, porque são verdadeiras. Mas o que mais me preocupa é que tantas vezes, também no meu coração, não há lugar para Ti! Estás consciente das consequências e do sofrimento e da Tua entrega. O Teu caminho de cruz já começou. E esse caminho é comprido. O caminho é sempre interminável quando o sofrimento é muito. Mas nesta humilhação, nesta fraqueza, manifesta-se a fortaleza do Teu amor, sem limites, até às últimas consequências. Como é bom ter um Deus assim, capaz de se entregar por amor, mesmo sem eu merecer! Obrigado, Senhor!
Vídeo- Semana Santa


video

Vídeo - Semana Santa



Paixão do Senhor


Senhor Jesus Cristo, por nós aceitaste a sorte do grão de trigo que cai na terra e morre para produzir muito fruto. Convidas-nos a seguir-te neste caminho quando dizes: “Quem se ama a si mesmo perde-se; quem se despreza a si mesmo neste mundo, assegura para si a vida eterna”.
Nós porém, estamos agarrados à nossa vida. Não queremos abandoná-la, mas mantê-la toda para nós mesmos.
Mas tu vais à nossa frente e mostras-nos que só podemos salvar a nossa vida, se a dermos. Mediante o nosso gesto de te acompanharmos na Via-Sacra queres conduzir-nos pelo caminho da caridade, da entrega e do amor.
A cruz – a oferta de nós próprios – pesa-nos muito… mas no Teu caminho da cruz também levaste a minha cruz. Leva-la hoje, comigo e por mim.
Ajuda-me para que a minha cruz não seja apenas o sentimento devoto de um momento. Livra-nos do medo da cruz. Ajuda-nos a não nos apoderarmos da vida, mas a dá-la.
Ajuda-nos a encontrar na «perda da nossa vida» o caminho do amor, o caminho que verdadeiramente nos dá vida, vida em abundância.





Vídeo - Via-Sacra Do Senhor










Santa Semana Santa

Abraço fraterno.


Arménio Rodrigues

domingo, março 21, 2010

V SEMANA DA QUARESMA


O tempo da Quaresma que estamos a viver é também para nós a oportunidade de purificarmos o nosso interior, numa “violência” positiva que arrede de nós tudo o que não nos deixa aproximar do templo de Jesus, na vida da sua Palavra, dos seus gestos de amor, da sua gratuidade, que transforma o nosso jejum em purificação, a partilha em ágape de amor, a nossa vida em autêntica sequela Christi (seguimento de Jesus). Num passo importante: deixarmos o que é aparente para chegarmos ao que é evidência do amor de Deus em nós. Lembrando-nos do que Jesus significa para nós.

Tenho ainda que vencer, Senhor, muitos obstáculos que me afastam de ti. Deixar para trás mil perguntas e mil incertezas na procura dos teus sinais, para me mergulhar na consistência do teu amor que se faz entrega na tua paixão e ressurreição. Para ser mais fiável. Para ter a tua confiança e o teu acreditar. Para ser tua pertença hoje e sempre, na Páscoa da eternidade que nos ofereces ser.


Os escribas e os fariseus apresentaram a Jesus uma mulher surpreendida em adultério, colocaram-na no meio dos presentes e disseram a Jesus: “Mestre, esta mulher foi surpreendida em flagrante adultério. (Jo 8, 1-11)
Acreditar. Viver. Sentir. Pertencer-te. Viver-te. Sentir-te. Redescobrir. Ressuscitar. Caminhar. Testemunhar. Verbos de acções que querem ser manifestação da tua profundidade. Rezo em mim a tua paixão e morte, para preparar com sentido de esperança e eternidade a tua ressurreição. Fazendo minha a tua Palavra. Tornando verbo a tua mensagem. Acreditando, vivendo, sentindo, pertencendo-te, vivendo-te, sentindo-te, redescobrindo-te, ressuscitando para esse caminhar que me faz tua testemunha. Tua Palavra.
Esta mulher errou, pecou, mas quem a pode julgar? Naquele lugar, assim como em tantos do nosso mundo, impõe-se a lei e não a presença de Deus, uma acusação e não a procura de um pensamento de Deus, o mal feito e não a vida que ainda se pode salvar, o desejo de condenar e não o desejo de se fazer comunhão.
Quando queremos demasiado condenar e nos dirigimos a Deus exigindo, agimos como aqueles fariseus e escribas cujo objectivo era pôr em cheque a salvação de Deus. A falta de sinceridade no coração leva à condenação final. A relação com Deus é uma questão de amor, é mais resposta de amor a um amor que nos precede, que gera vida por dentro, que procura comunhão. O pecado é recusar o Amor para encontrar segurança noutros amantes. E infelizmente isto é de todos: para a mulher adúltera, para as autoridades judaicas e para nós.

Jesus inclinou-se e começou a escrever com o dedo no chão. Como persistiam em interrogá-l’O, ergue-se e dissse-lhes: “Quem de entre vós estiver sem pecado atire a primeira pedra.” Inclinou-se novamente e continuou a escrever no chão. Eles, porém, quando ouviram tais palavras, foram saindo um após outro, a começar pelos mais velhos, e ficou só Jesus e a mulher, que estava no meio . (Jo 8, 1-11)

Como é diferente o olhar de Deus para connosco. De facto até poderíamos cair na tentação de querer saber o que Jesus escreveu no chão, mas não é isso o mais importante. Ele, a Palavra, não fala se não se entra em comunicação com o seu autor. A Lei foi dada para a vida e não para a condenação. Ela denuncia e condena o pecado mas nunca o pecador. E Jesus deseja e quer olhar para o coração e agir a partir do Seu coração. Inclinando-se, rejeita o papel de juiz e incarna o papel e missão de Deus misericordioso, capaz de se inclinar sob a pobreza humana.


No anonimato desta mulher estão simbolizadas todas as nossas enfermidades morais, as nossas traições a Deus, as nossas fugas para bem longe d’Ele, as nossas posições contra Ele. Somos pecadores, mas também sabemos que onde quer que estejamos Ele nos espera. No nosso encontro com Ele, a nossa culpa é perdoada e a sua misericórdia dá-nos energia para continuar o caminho, em novidade de vidaJesus ergueu-se e disse-lhe: “Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou?” Ela respondeu: “Ninguém, Senhor.” Disse então Jesus: “ Nem Eu te condeno. Vai e não tornes a pecar.” (Jo 8, 1-11)
A nossa miséria só é transformada e renovada no amor porque, nos curamos no encontro com Jesus, não como juiz, mas como Salvador e assim iniciamos uma nova vida: “ Nem Eu te condeno. Vai e não tornes a pecar.”

Eu sou como esta mulher, Senhor. Chego até Ti depois de percorrer muitos caminhos perdidos. E em Ti encontro o apelo à verdade. Tu não ofereces desculpas fáceis e infantis. Apelas à responsabilidade e a um amor grande. Ofereces o perdão que cura. Que permite começar de novo. Que me faz avançar em estradas de santidade.


Vídeo V Semana da Quaresma








SANTA QUARESMA

Abraço fraterno!
Arménio Rodrigues

domingo, março 14, 2010

IV SEMANA DA QUARESMA




O tempo da Quaresma é um tempo que nos é oferecido para converter. Se Jesus chama-nos é bem para que nós vivamos cheios. O pecado afasta-nos de Deus e entranha-nos na morte. Voltar-nos para Deus dá-nos vida.
Deus amou tanto o mundo que entregou o seu Filho Unigénito, para que todo o homem que acredita n’Ele não pereça, mas tenha a vida eterna
Deus é amor! E a maior prova do seu amor é o ter partilhado connosco a sua vida para que possamos partilhar da sua vida em plenitude. A eternidade do tempo faz-se eternidade da nossa própria história, habitando no território da fé autêntica em Jesus, nosso Salvador. Para que tenhamos (cada um de nós que acreditamos) a eternidade. O sem fim.
Este é o grande tesouro que ninguém nos pode roubar. Deus está connosco, Deus está do nosso lado. Ama-nos, Ele é um Deus loucamente apaixonado pelos homens. Porque Pai. Porque Deus. Nele está o segredo da nossa vida, da vida em plenitude. Acreditar! Transformá-lo no centro da nossa vida, dos nossos projectos, do nosso dia-a-dia. Esse é o desafio a abraçar.
Jesus conta-nos uma parábola, uma parábola que nos fala de Deus: Deus Pai, Deus Amor, Deus Perdão, Deus Misericórdia. Aquele que sistematicamente procura os filhos perdidos para os redimir e salvar. Aquele que espera sempre o regresso. Aquele que de braços abertos acolhe, com o perdão do seu amor, as nossas misérias e pecados, as nossas distâncias e infidelidades, o nosso interior pobre e mendigo de compaixão. Mesmo que não nos identifiquemos com o filho pródigo, também o filho que fica em casa precisa deste abraço de misericórdia e compreensão… mas, sinceramente, pródigos, em maior ou menor medida, todos somos… e nenhum de nós quer faltar ao banquete da sua festa de eternidade!
Mais uma vez Deus está à nossa espera. Repete-se hoje a parábola do filho pródigo. O filho fugiu, desumanizou-se, reduzido a farrapos, excluído. Em casa o pai à sua espera, pacientemente e cheio de esperança de que o seu filho voltaria. Seriam as saudades, o amor, o afecto e o carinho do pai? Tudo na cabeça do jovem… e voltou. E o pai o recebeu, o beijou, o abraçou e o reconduziu à casa que ainda era dele. E foi a festa!

EU? Estou disposto a voltar a CASA do Pai?

Ensina-nos Senhor a amar. Ensina-nos Senhor a perdoar. Ensina-nos Senhor! Pois tu és o mestre, tu a salvação, tu a vida. Ajuda-nos Senhor a descobrir sempre mais que tu és a a vida plena, o verdadeiro sentido do nosso viver, tu és o salvador.

Continuemos a nossa caminhada até ao Pai… De mãos dadas continuamos a SUBIR...
Ser mais ACTIVO/A
Na paróquia: na catequese, nas celebrações… nos encontros…
Na resposta aos convites a crescermos em Sabedoria e Graça como JESUS.




Vídeo - IV Semana da Quaresma



Também em PowerPoint



Continuação de Santa Quaresma!


Abraço Fraterno!


Arménio Rodrigues

sábado, março 06, 2010

III SEMANA DA QUARESMA


Estamos a meio da Quaresma, tempo forte de conversão e penitência. Envolvem-nos os constantes convites ao arrependimento, à mudança aos apelos do Senhor…

Como é bonito começar o dia, sair fora e respirar o ar puro!
Que bom iniciar a manhã com sentimentos positivos!
Sim já sabemos que abunda o ar contaminado e que os sentimentos que nos dominam nem sempre são puros, no entanto, é tão belo respirar o bem, colocar os olhos em Jesus, começar a manhã envolvidos nestes sentimentos!
Quando os problemas da cada dia nos desgastam os nervos e acabam com a paciência e a pouca esperança que nos fica, ponhamos os olhos em Deus, e digamos com Teresa de Jesus:
“Nada te perturbe, nada te espante, tudo passa, só Deus não muda, a paciência tudo alcança, quem tem a Deus nada lhe falta. Só Deus basta”.

O Senhor disse:

«Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha. Foi procurar os frutos que nela houvesse, mas não os encontrou. Disse então ao vinhateiro: ‘Há três anos que venho procurar frutos nesta figueira e não os encontro. Deves cortá-la. Porque há-de estar ela a ocupar inutilmente a terra?’ Mas o vinhateiro respondeu-lhe: ‘Senhor, deixa-a ficar ainda este ano, que eu, entretanto, vou cavar-lhe em volta e deitar-lhe adubo. Talvez venha a dar frutos. Se não der, mandá-la-ás cortar no próximo ano. (Lc 13,1-9)


Como se sentiriam interiormente os ouvintes de Jesus ao escutar esta parábola? Igualmente eu me interrogo a mim mesmo. Neste imenso planeta de milhões e milhões de quilómetros quadrados, eu tenho também um espaço que chamo meu. Como o estou a ocupar? Inutilmente? Que frutos estou a dar? Que tipo de frutos Deus e os outros esperam de mim? Será que todos os que me procuram saem de junto de mim desiludidos e com fome? Fome de quê? De um Deus que eu devia testemunhar
Esta semana vou continuar a SUBIR…

…Ser mais ALEGRE!

Na partilha das coisas boas que a Vida nos oferece! No olhar de esperança perante o “humanamente impossível" Nos momentos em que só o humor é capaz de transformar a realidade! Nos acontecimentos em que não entendemos os caminhos de Deus!


Já custa amar os que nos amam. Mas Tu pedes-me mais. Queres que eu seja como Tu: capaz de amar como Tu, de forma livre, sem esperar nada em troca. É difícil. Mas contigo perto de mim, sei que conseguirei. Ilumina o meu coração. Inunda-me com a Tua bondade. E amarei como Tu!

VIDEO - III SEMANA DA QUARESMA


video

VIDEO - III SEMANA DA QUARESMA



Apresentação em powerpoint da III semana da Quaresma:

Continuação de SANTA QUARESMA!

UM ABRAÇO!

Arménio Rodrigues