quinta-feira, junho 23, 2011

Eucaristia-Corpo de Deus




A EUCARISTIA NA BÍBLIA
A Vida e a Vitalidade da Eucaristia
A Última Ceia é pré-pascal. Mas a Eucaristia é pós-pascal. A Eucaristia é a dinâmica eclesial de memorial da Última Ceia como espaço privilegiado de comunhão com Cristo e acolhimento da sua Vida.

“Ao redor da mesa” é uma das expressões bíblicas de mais profunda convivialidade e felicidade. A importância da refeição era um dado cultural do povo bíblico. Depois, este dado cultural tornou-se uma fonte de linguagem teológica.
A Última Ceia como instituição da Eucaristia
A Última Ceia de Jesus é o ponto decisivo de arranque do Reino de Deus entre os Homens, como configuradora de sentido para a sua morte… e a Eucaristia que dela brota é a dinâmica memorial dessa morte-ressurreição salvadora até a plenitude do Reino chegar.

O que diz S. Paulo sobre o "Corpo de Cristo"
Paulo utiliza no seu pensamento a linguagem do “Resto Fiel”, tipicamente bíblica, para falar da Igreja. A Igreja é o Resto Fiel de Cristo e a Cristo. A Eucaristia é a celebração fraterna deste Resto Fiel.

O que diz S. João sobre o "Pão da Vida"
 “Comer o Pão da Vida” é “Permanecer em Cristo”, na linguagem do quarto evangelho. João superou a perspectiva davídica do messianismo de Jesus. Por isso, como realização definitiva da missão de Jesus nunca fala de uma “segunda vinda”, mas sim da “vinda do Espírito Santo, o Paráclito, o Espírito da Verdade, do Pai e do Filho”, dom maior da “Hora” de Jesus, a sua morte-ressurreição.

A "Fracção do Pão" nos Actos dos Apóstolos e o Sacerdócio na Carta aos Hebreus
Os ritos cultuais não são o que dá eficácia à acção do Espírito Santo, mas sim os carismas, que são as qualidades de cada um postas ao serviço de todos e, sobretudo, abertas à acção consagrante do Espírito Santo. O Espírito Santo é Pessoa-Comunhão. É no contexto de pessoas em comunhão que Ele se torna verdadeiramente vivo e eficaz.
.
A EUCARISTIA PASSO-A-PASSO
Eucaristia: a Festa dos Corações Agradecidos
.
Eu gosto de chamar à Eucaristia a Festa dos Corações Agradecidos, porque é por excelência a celebração festiva da nossa Gratidão ao conhecermos o Amor de Deus que é Graça. É a Graça de Deus, que Se faz Dom imerecido, que nos faz desbordar em Gratidão.
.
Celebrar é Humano...
Ser pessoa é construir-se pessoa. Não nascemos acabados, feitos. Nascemos possibilitados, mas não realizados. Nesta dinâmica, há momentos, acontecimentos e horizontes tão especialmente significativos que nós costumamos Celebrá-los. Celebrar é conferir sentido à nossa história, estruturando-a com os acontecimentos e experiências que celebramos.
.
"Os quatro insubstituíveis" dos Sacramentos
Os sacramentos cristãos não são realidades mágicas caídas do céu, mas sim Celebrações da Vida à luz da Fé. E a Fé é que rasga aqui horizontes novos… Pela Palavra e pelo Espírito que nos consagram, as dimensões humanas das nossas celebrações não são anuladas mas optimizadas…
.
A Comunidade Reunida
Ainda nos falta descobrir a alegria de sermos Comunidade. Ou, melhor, não nos falta descobrir essa alegria, mas Re-descobrir, porque a Igreja primitiva tinha um rosto profundamente comunitário. Não havia multidões, massas de desconhecidos. Todos aprofundavam, celebravam e viviam a sua Fé em comum-unidade.
.
Um Amor que perdoa é um Amor que Recria
Deus-Amor cria-nos para o amor. Nós fomos capazes de inventar o pecado, o contrário do Amor. Como o amor é o ritmo da nossa quotidiana criação, o pecado é o ritmo da nossa descriação, sermos menos do que estamos chamados e possibilitados a ser. E é neste contexto vital que temos que entender o Perdão de Deus.

.
Das palavras à PALAVRA
A Igreja é a Comunidade convocada, a comum-união de todos num mesmo chamamento. A Igreja brota da escuta de uma Palavra, existe em torno dessa Palavra para a saborear, acolher, encarnar e celebrar e, depois, ser voz profética dessa Palavra transformadora do mundo pelo anúncio e pelo testemunho. Mas, não te parece que esta dimensão da Igreja como Comunidade da Palavra está há muito esquecida? A mim, sinceramente, sim…
.
Crer e Querer
Já reparaste como costumamos dizer o Credo nas nossas Eucaristias? Parecemos um grupo de meninos na escola a dizer em coro a cartilha, com os sítios das respirações já sabidos de cor, a mesma entoação feita por todos, e o mesmo ar de enfado de quem não se importaria nada de “saltar essa parte”…

.
Ofertório de Vida
O primeiro ofertório é Deus mesmo, presente, actuante, disponível. Porque é Amor, não pode fechar-se em Si próprio, não pode guardar-se para Si, sem Se dar. Porque é Amor, Deus não pode senão ofertar-Se permanentemente, Deus-Graça e Deus de Graça para todos.

.
A Consagração é um "Mistério de Fé"
Um dos maiores perigos para a nossa Fé é descambarmos para a lógica das magias e dos “poderes especiais” fechados à compreensão e à explicação. E depois, ingenuamente, chamamos a isso “Mistérios”… como se fossem realidades insondáveis e de conhecimento impossível.
.
Do Pai Nosso à Sabedoria da Oração
O Pai Nosso não é uma fórmula, não é uma “reza” a ser repetida! Jesus não ensinava “rezas”, mas sim os segredos para viver em intimidade com Deus, a sabedoria da oração. Nós fizemos do Pai Nosso uma fórmula a repetir, mais uma “reza” a decorar; mas não foi isso que Jesus ensinou aos seus discípulos.
.
Enviados à Eucaristia da Vida
Alguma vez te deste conta de que a Eucaristia não tem fim? A celebração termina com um envio: “Ide em paz…”, porque o que termina é a celebração, não a Eucaristia como experiência da Graça e resposta de Gratidão. Querer terminar a Eucaristia quando termina a celebração é abortá-la!

.
"Mapa da Eucaristia" (resumo)
Como que um Guia de Percurso, uma sinalização do caminho. Agora, já não um mapa de estradas e ruas, mas um Mapa da Eucaristia. Comecemos viagem…
.
Vídeo: Eucaristia-Corpo de Deus


Abraço fraterno!
Arménio Rodrigues

sábado, junho 04, 2011

Ascenção


Depois da morte de Jesus, os discípulos “estavam de luto e chorosos” (Mc 16,10); tiveram dificuldade em acreditar que Ele estava vivo (cfr. Mc 16,11).

Tudo parecia perdido e terminado… Tudo parece perdido quando se perde a vocação missionária; os discípulos, como talvez muitos de nós, ainda não tinham percebido que agora somos nós, também, filhos; e, por isso, transmissores do amor do Pai a todos os irmãos. Agora, o próprio Jesus, está diante dos discípulos, de novo, como naquele primeiro dia no mar da Galileia, quando lhes disse: “segui-Me e farei de vos pescadores de homens” (Mc 1,17); hoje, de novo, recorda-lhes o sentido desse chamamento: “ide por todo o mundo e pregai o evangelho e toda a criatura”. Ser cristão é ser missionário, sem fronteiras, sem barreiras, sem férias para a missão. Ser cristão e ter coração de mãe e pai, a tempo inteiro, preocupados constantemente com o anúncio do evangelho: de noite, de dia, quando se está cansado, quando se come, quando se trabalha, quando se brinca… mas nunca por obrigação, mas simplesmente por amor, gratuito, sem cobrar. Assim, é ser cristão, ser de Cristo.

Quantas vezes, Senhor, me encontras ‘escondido’, temeroso, inerte. Quantas vezes, Senhor, pareço ter esquecido todo o amor que aprendi de Ti. Mas hoje, Senhor, como naquele dia com os discípulos, vens ao meu encontro, me recordas o sentido da minha vocação cristã… e tudo ganha sentido: ‘ide…e pregai o evangelho’! São as Tuas últimas palavras, Senhor, o Teu testamento, jamais as esquecerei. Farei da minha vida uma vida de anúncio do Teu evangelho, a toda a criatura, a todos os corações.

Se Jesus, pessoalmente, viesse ao meu encontro e me dissesse: ‘Vai por todo o mundo e prega o meu evangelho a toda a criatura’. Que faria? Que consequência teria o meu dia de hoje e a minha vida cristã, a partir de então? ‘Vai…’


Vídeo: Eis-me aqui!


Abraço fraterno!
Arménio Rodrigues