segunda-feira, maio 08, 2017

Eis-me Aqui Senhor!

Escuta a Palavra de Jesus: "Faz-te ao Largo."
Ele disse-a a Pedro. Disse-a a tantos homens e mulheres ao longo dos séculos. Di-la hoje a ti... a mim! "Faz-te ao Largo. " Não temas. Vai mais longe e lança as redes. Ele conta contigo para anunciares a Sua Palavra às crianças, adolescentes, jovens e adultos que procuram ser felizes na fé. Ele confia em ti, no teu empenho, no teu esforço de formação.
Ele estará contigo, no barco, a remar, a puxar as redes, a acalmar a tempestade!

Eis-me aqui, para Te seguir!

Optar por seguir ou não o Senhor é uma opção que estrutura radicalmente a vida de cada pessoa e das comunidades, e que é posta à prova diariamente, nomeadamente quando há mudanças importantes na vida.
O seguimento de Deus tem o seu expoente máximo em Jesus Cristo - verdadeiro Deus e verdadeiro homem - o único que cumpriu a vontade do pai na totalidade. É Jesus Cristo - ontem, hoje e sempre - que intervém nas comunidades reunidas em Seu nome, nos crentes que se decidem a seguir o projecto de Deus. Ele mostra que essa acção é resposta à fidelidade de Deus e convite para prosseguir em comunhão de fé e de amor a vida inspirada pelo Espírito Santo e actualizada na Igreja, de geração em geração. A resposta a Deus não só gera um estilo de vida, como ela mesmo já é um estilo de vida fiel a Deus, diariamente assumida e discernida em comunhão com a comunidade dos crentes, num espírito de missão, em abertura ao futuro e comunhão com o Eterno.
Eis-me aqui para ser Igreja

Para seguir Deus e o Seu projecto é indispensável viver em comunhão e sintonia com a igreja. A inspiração que leva a uma tomada de posição, a orientar-se para Deus, a discernir no que se comprometer na construção do Reino, é uma inspiração que vai amadurecendo mediante um diálogo longo e profundo na fé, na escuta humilde a atenta da Palavra de Deus, celebrada na liturgia. Ser Igreja, seguir Jesus Cristo, responder ao apelo de Deus, dizendo: "Eis-me aqui!" é, sobretudo optar pela vida, pelo amor, crescer na fidelidade e comprometer-se no serviço ao Reino de Deus, solidarizando-se na justiça e na amizade.

Eis-me aqui, para ser com Cristo
.
Ao optar por ser discípulo de Cristo, mostrando a disponibilidade de O seguir, verifica-se que nesta aventura não há lugar para o anonimato e para a rotina. Deus chama cada pessoa pelo seu nome, e imprime-lhe uma dinâmica de vida que não se compadece com rotinas.
O ser discípulo de Cristo coloca cada crente sob a lei de Cristo, isto é, sobre a lei da cruz, que é a lei do amor. Jesus Cristo faz de cada discípulo uma pessoa de comunhão. Unido a Cristo, o crente explode em possibilidades de ser com o Cristo. Aquele que foi totalmente fiel ao Pai.
Aí a meta será dizer como São Paulo: "Já não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim. E a vida que agora tenho na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus que me amou e a si mesmo se entregou por mim." (Gl 2, 20)



Video - Eis-me Aqui Senhor!
.


Abraço fraterno!
Arménio Rodrigues

domingo, maio 07, 2017

Ser Mãe...Um Sim à Vida!



Ela era muito jovem, talvez ainda adolescente.
Prometida em casamento com alguma ou muita antecedência, como era costume naquele tempo e na sua cultura, encontrara-se grávida antes da celebração das núpcias.
Isto era muito grave, tão grave que a fazia incorrer na pena de morte, e morte cruel por apedrejamento, embora, em consciência e diante de Deus, estivesse isenta de culpa.
Ao aceitar a gravidez, a jovem sabia, pois, o risco que corria, risco tanto maior quanto ela tinha de assumir, humanamente sozinha, toda a responsabilidade deste facto, perante a sua família, o seu noivo, e as autoridades civis e religiosas.
O que pensaria e como se sentiria, aquela Jovem numa situação tão angustiosa, não sabemos, só poderemos supor.
Sabemos, porém, que a sua atitude foi um Sim à VIDA, acontecesse o que acontecesse.
E por isso, chegada a hora, ela deu à luz “a Vida que era a Luz verdadeira, a qual, vindo ao mundo, a todo o homem ilumina” (Jo 1, 1-9).
Esta jovem foi Maria de Nazaré, uma menina a quem Deus concedeu inúmeros privilégios e dons singulares, mas a quem não livrou do sofrimento e das leis e contingências desta vida. Mas porque Maria acreditou foi feliz e trouxe-nos a felicidade, dando ao mundo a salvação, que é o próprio Filho de Deus incarnado no seu seio. Mas esta salvação dependeu do seu sim, dependeu da aceitação da nova vida, que emergia em circunstâncias de alto risco para a mãe, como pode acontecer, noutras circunstâncias, com tantas mães solteiras, adolescentes ou jovens.
A atitude corajosa de Maria é, pois, para todos nós, mas sobretudo para essas mães de “risco” uma lição, um estímulo e uma proteção.
É uma lição, porque se Maria soube dizer Sim à Vida, em circunstâncias de tanto risco, foi porque aprendeu a dizer Sim a Deus, à sua vontade, aos Seus mandamentos.
É um estímulo, porque se ela pôde vencer todos os medos, e todos os obstáculos, para aceitar a Vida nascente, também os poderão vencer as mães, a quem são dadas graças muito especiais pelo facto de lhes ser atribuída essa vocação e missão, e tanto mais graças quanto mais se forem enchendo de graça, como Maria foi cheia de graça, por isso, cheia de fortaleza do Espírito Santo que A habitava e preenchia totalmente.
É uma proteção, de modo especial para as mães que Nela confiarem, e lhe confiarem a sua gravidez, e os seus filhos, porque Maria ao mesmo tempo que é Mãe de Cristo é nossa mãe, e continua a dizer Sim à Vida, de cada um de nós e por meio de nós.
Que todas aquelas, adolescentes, jovens ou adultas, a quem Deus tenha concedido o dom de serem mães, tenham a coragem e a generosidade de acolher esse dom sublime e, como Maria e sob a sua proteção, o deem à luz, ainda que no “estábulo” da pobreza, da exclusão, ou da condenação social.

FELIZ DIA PARA TODAS AS MÃES.



Arménio Rodrigues

segunda-feira, maio 01, 2017

Maria de Nazaré




Ao iniciarmos a devoção a Nossa Senhora no mês de Maio de 2017 perguntemos quem era Maria?
Recorramos à Sagrada Escritura.
A primeira referência encontra-se no livro do Génesis: "Eu porei inimizade entre ti e a mulher, entre a sua descendência e a descendência dela. Estes esmagar-te-ão a cabeça".
A segunda referência encontra-se-se em Isaías que diz:
"Ficai sabendo que Deus vos dará um sinal. a jovem concebeu e dará á luz um filho e chamá-lo-á Emanuel".
Finalmente S. Lucas apresenta-nos Maria:
" O Anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem prometida em casamento a um homem chamado José, que era descendente de David. E o nome da virgem era Maria".
Esta é Maria a mãe de Deus que veneramos, agradecemos e queremos imitar. É o objectivo do mês de Maria

Maria de Nazaré tem um lugar especial na nossa vida de cristãos. É, como disse um homem de fé: "A primeira e última Igreja." A primeira a ser Igreja. A primeira a acolher a Palavra de Deus, a dizer "SIM" ao plano libertador de Deus. Um sim tão forte que o Filho de Deus se fez carne na carne de Maria. Maria inaugurou a Igreja: o povo de homens e mulheres que acolhe e torna presente o Filho de Deus. E é a "última Igreja", a fidelidade total para onde tende a Igreja, o grupo daqueles que seguem Jesus, o Seu Filho. Bento XVI rezava, pedindo "Mostra-nos Jesus. Guia-nos para Ele. Ensina-nos a conhecê-Lo e a amá-Lo." É uma bela atitude para quem faz catequese. Na nossa caminhada como crentes e catequistas Maria é um modelo e uma fonte de inspiração. E para os nossos catequizandos Maria pode ser também um modelo do que é ser discípulo de Jesus: Minha Mãe, meus irmãos são todos aqueles que fazem a vontade de Meu Pai.