terça-feira, abril 25, 2017

CRESCER NA FÉ: caminhos de futuro


Apesar de vivermos num mundo descristianizado, em que todos os lugares são iguais na perspectiva do telemóvel, há lugares com uma capacidade grande de invocar o sagrado. São lugares onde os adolescentes conseguem sentir que a vida é mais do que o imediato. Lugares capazes de os transportar para o mistério de Deus.
Em Portugal, Fátima é, claramente, um desses sítios. Pelo clima de recolhimento, pela fé partilhada, pela atenção ao essencial da fé cristã.
Mas há outros: uma capela com silêncio e beleza, uma paisagem ainda não estragada pelo betão...
O catequista tem um papel importante ajudando os adolescentes a fazer um caminho de fé a partir da beleza do sentido do sagrado. Para isso promove a visita (não turística mas de fé) a esses lugares. Ajuda o grupo e cada um individualmente a valorizar esses lugares.

Nos últimos 20 anos têm crescido as propostas de grandes convocações de adolescentes e jovens. Ao lado das tradicionais peregrinações aos santuários marianos (muito ligados à piedade popular), têm surgido jornadas mundias e diocesanas  da juventude, peregrinações, idas a Taizé... São experiências apreciadas pelos mais novos e que os ajudam a crescer na fé. Quando têm qualidade. O que nem sempre  acontece. Quando se limitam a ser consumo turístico, pretexto para encontro de amigos... podem ser mais ou menos desejadas. Ma não ajudam a fé a crescer.

Em Portugal toda a gente "sabe" algo sobre Deus. E a partir do que sabem acreditam, não acreditam ou "tanto faz".
O encontro com o rosto de Deus proposto por Jesus de Nazaré é das experiências que mais faz crescer a fé. Os adolescentes sentem prazer, na descoberta do Deus que os ama, que os faz crescer. Que os liberta.
Isso acontece quando os catequistas e catequeses são capazes de ser fieis ao Evangelho e à maneira de sentir e pensar dos adolescentes. Quando superam todas as caricaturas do Deus cristão que por aí circulam, mesmo na mentalidade de tantos cristãos.

A capacidade de confiar nos outros é, humanamente, a capacidade mais parecida com a fé. A fé não é apenas "saber" quem é Deus; é acima de tudo, confiar n´Ele, colocar n´Ele a nossa vida.
Isso torna-se difícil quando os adolescentes se sentem inseguros diante dos outros, desconfiados, incapazes de estabelecer relações abertas.
As experiências que melhoram os níveis de confiança dentro do grupo de catequese ajudam, direta e indiretamente, os catequizandos a confiar em Deus.

A experiência de ter sido totalmente acolhido, amado por outros é muito importante para o crescimento na fé. O facto de alguém nos ter amado radicalmente, para lá das nossas qualidades e defeitos, abre a vida à possibilidade de acolher um Deus que se quer relacionar connosco do mesmo modo: acolhendo-nos incondicionalmente.
Muitas vezes, essa experiência foi feita em família, nos primeiros anos de vida. Mas mesmo quando isso não aconteceu, o catequista é chamado a fornecer ao adolescente esse acolhimento incondicional.




domingo, abril 16, 2017

Cristo Vive, Ressuscitou!



Depois da prisão de Jesus, do seu caminho para o calvário, da sua morte na cruz, da sua sepultura… os discípulos ficaram desconcertados e desorientados. Tudo parecia perdido, até o corpo de Jesus. Mas naquele primeiro dia da semana, em que Maria Madalena foi ao sepulcro, deu-se início a um tempo novo, de Jesus ressuscitado presente na vida dos seus. O sepulcro vazio, as ligaduras e tantas incertezas. No entanto, onde todos encontram sinais de morte, o discípulo que mais se sente amado acreditou. Ele não necessita de provas, sabe que Jesus vive, porque continua a sentir-se amado com o mesmo amor… Não necessita tocar, porque se sente continuamente tocado pelo amor de Jesus. E então vive agradecido, vive provando o seu amor, vive transmitindo o mesmo amor aos irmãos.

O Domingo da Ressurreição, primeiro dia da semana é o começo de uma vida nova; uma nova criação; a libertação definitiva! Tempos novos! Sentido novo! Homem novo! Maria Madalena, discípula do Senhor, não se aquieta à sua ausência. Vai procurá-Lo, prestar-Lhe homenagem, movida pela força do amor! Porque procurou, apesar da noite escura da ausência e da frieza do sepulcro, constatou a novidade: o sepulcro aberto e vazio! Jesus não estava lá! Afinal, a morte não é a última realidade!

Cada Páscoa, esta Páscoa, pode ser "um primeiro dia" na nossa vida. O início de uma vida diferente, porque marcada pelo sentido novo da Ressurreição. Apesar do escuro da nossa pouca fé, apesar do escuro de uma cultura do evidente e palpável, somos convidados à experiência de vislumbrar sinais de ressurreição anunciadores de uma vida nova! Com e como Maria Madalena e todos os apaixonados pelo Senhor, deixemo-nos mover pela fé e pela sede de Deus! Procuremos o Senhor vivo em nós, nos nossos ambientes, na Igreja, no mundo! Ele está vivo entre nós!

É a Páscoa do Senhor! Ressuscitou! Vive! E porque vive, enche de entusiasmo o nosso existir. Anima-nos à esperança. Anima-nos ao testemunho. Anima-nos à fé. É a festa da vida. Do encontro. Da partilha. Em Jesus ressuscitado somos convidados para o encontro com o Evangelho da verdade. Somos comunidade. Somos de Cristo. De Cristo vivo.

A ressurreição ultrapassa todas as expectativas e raciocínios. Os próprios discípulos, os que privaram com Ele, ainda não tinham entendido a sua lógica, a sua palavra, e muito menos o acontecimento da sua morte e a certeza da ressurreição. O acontecimento da ressurreição é a palavra final que tudo muda. Após esta experiência os discípulos embarcam na lógica do amor e do dom da vida. Compreendem os sinais da ressurreição, descobrem que Jesus está vivo!

Também nós não entendemos a ressurreição do senhor. Procuramos evidências, factos explicáveis, lógicas compreensíveis. Mas esta ultrapassa-nos, porque só na fé podemos acolher plenamente a verdade da ressurreição. Com ela aprendemos que a vida plena, a transfiguração total da nossa realidade finita e das nossas capacidades limitadas para pelo amor que se dá até à morte. A vida entregue gratuitamente não é um fracasso, mas um caminho para a felicidade verdadeira e sem fim. 
Será que conduzimos a nossa vida nesta direcção?
Ou ainda não entendemos a lógica da ressurreição?

Oração
A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo!
Enviai, Senhor, a vossa luz e verdade;
sejam elas o meu guia e me conduzam à vida plena, à alegria sem fim!
Aleluia! Este é o dia que o Senhor fez, nele exultemos e nos alegremos!


 Feliz Páscoa!



sábado, abril 08, 2017

Semana Santa



E já chegámos à Semana Santa! O nosso itinerário quaresmal tem agora um momento de celebração e contemplação profundo, intenso, único. A memória de Jesus, na sua entrega, na sua paixão, no seu amor ressuscitado torna-nos capazes da mudança, da profecia, do anúncio, da vida nova, simplesmente... da fé. Passemos, também nós, corajosamente, da morte à vida, do pecado à graça, da vida à vida nova em Jesus Ressuscitado.

"Não se faça a minha vontade, mas a tua". Jesus transforma a sua vontade humana e identifica-a com a de Deus. É este o grande acontecimento do Monte das Oliveiras, o percurso que deveria realizar-se fundamentalmente em cada uma das nossas orações:  transformar, deixar que a graça transforme a nossa vontade egoísta e a abra para se conformar com a vontade divina. Nos momentos difíceis, sabemos pedir ajuda a Deus, com humildade e fé, para encontrar no seu amor de Pai a força para enfrentar os nossos maiores medos?

Jesus respondendo afirmativamente à pergunta: "Tu és então o Filho de Deus?", mostra-se plenamente consciente da própria dignidade divina. Desta forma Jesus "assinou" a própria condenação à morte: é um blasfemo que profana o Nome e a realidade de Javé, porque se declara explicitamente "filho". O seu sofrimento, a sua morte e ressurreição são o testemunho mais eloquente acerca do Pai e do seu desígnio de salvação sobre a humanidade.

Pilatos compreendeu desde o início que o tipo de acusação apresentada foi preparada com arte para não lhe deixar outra alternativa: reconhece a inocência de Jesus, mas por motivos de conveniência não quer colocar-se em oposição aos acusadores. Tendo entrado no tribunal como "condenado" Jesus sai agora como "inocente" e encaminha-se para a morte como o "justo (injustamente) perseguido".

Quando chegaram ao lugar chamado Calvário, crucificaram-n’O a Ele e aos malfeitores, um à direita e outro à esquerda. Jesus dizia: «Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem». (...) E Jesus exclamou com voz forte: «Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito». Dito isto, expirou.

Estas, segundo S. Lucas, são as últimas palavras de Jesus: palavras de perdão, de amor, de aliança; palavras com as quais resplandece mais uma vez o seu espírito filial. "Pai": as últimas palavras de Jesus recordam a sua primeira frase, pronunciada no templo de Jerusalém aos doze anos: "Não sabíeis que devia estar em casa de meu Pai?". (Lc 2, 49).

Jesus é todo aqui, na sua relação com o Pai. Entregando-se ao Pai, anuncia a sua misericórdia e reconduz a casa cada "filho pródigo", que encontra no "bom ladrão" a realização plena. O seu é um arrependimento que não nasce de motivos humanos, de simpatia por Jesus; o "bom ladrão" converte-se porque, com os olhos da fé, descobre quem é verdadeiramente aquele Jesus que está crucificado ao seu lado.

Oração
Reza e contempla o Mistério Pascal a partir deste belo hino cristológico transmitido por São Paulo: Cristo Jesus, que era de condição divina,
não Se valeu da sua igualdade com Deus,mas aniquilou-Se a Si próprio.
Assumindo a condição de servo,tornou-Se semelhante aos homens.
Aparecendo como homem, humilhou-Se ainda mais,obedecendo até à morte e morte de cruz. Por isso Deus O exaltoue Lhe deu um nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus todos se ajoelhem no céu, na terra e nos abismos, e toda a língua proclame que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai. (Filip 2, 6-11)

Vídeo - Semana Santa