quinta-feira, novembro 10, 2016

Acreditar em Deus


O Antigo Testamento (=AT) não tem uma definição única de fé, mas há visões diferentes que convergem naquilo que se entende ser a fé: a correta atitude diante de Deus.
As palavras da família de "ámen" são muito usadas. Fé, acreditar (ámen) é ter um apoio para a vida. Quando há um perigo para a vida, deve-se acreditar (ter fé), confiar em Deus pois Ele nos salvará. A salvação não vem de nós mesmos mas de Deus.
Um bom exemplo para entender isso é o capítulo 7 do livro do profeta Isaías. O rei Acaz, rei de Judá enfrenta uma séria ameaça: o rei de Israel e o rei de Damasco fizeram uma aliança e preparam-se para invadir e destruir o país. Ao saberem isto, "agitou-se o coração do rei e do povo, como se agitam as árvores das florestas impelidas pelo vento" (Is 7, 2b). Mas Deus envia o profeta a convidar à fé.
Diante das dificuldades, do medo, acreditar é confiar no apoio que Deus envia. Conclui o profeta: "Se não acreditardes, morrereis (Is 7, 9). Só em Deus há apoio seguro.

O Pai dos crentes
Abraão enfrenta um perigo diferente. Não tem filhos; tudo o que construiu na sua vida perde sentido. Mas Deus convida-o a confiar. Deus desafia Abraão a partir para uma terra nova e promete-lhe uma descendência. No capítulo 15 do livro do Génesis há um belo diálogo entre Deus e Abraão. Mais uma vez, Deus começa dizendo "não temas". Podes confiar em Deus. Se Deus está aqui, não é preciso ter medo.
No versículo 6, o escritor diz: "Abraão confiou no Senhor". A atitude de fé de Abraão é a atitude de quem aceita confiar a sua vida a Deus. Abraão não confia que terá um filho pelas sua próprias forças (é já velho, tal como Sara, sua esposa); Abraão sabe que só Deus poderá superar esta difiuldade. Ter fé é confiar só em Deus e em mais nada nem em mais ninguém. A salvação, a possibilidade de futuro, nasce de uma correta (justa) atitude diante de Deus.

Moisés e a libertação
O livro do Êxodo, como relato da vida e ação de Moisés, introduz uma ideia nova: a fé é um a atitude de escuta e aceitação de uma mensagem. A fé não é apenas uma atitude genérica, uma confiança de fundo em Deus; é acolhimento de conteúdos concretos. No final da travessia do Mar vermelho, depois da derrota do faraó, diz Ex 14, 31: "Israel viu a mão poderosa com que o Senhor atuou contra o Egipto; o povo (...) acreditou no Senhor e em Moisés, seu servo."
A fé tem de ser confiança nas promessas de Deus (sobretudo na terra prometida) mas também obediência e fidelidade á aliança, com base nas ações maravilhosas que Deus fez em favor do seu povo.

A fé e a crise da fé
A certa altura caiu-se num esquema muito simplista: crer era confiar apenas em Deus; e quem acreditasse seria feliz e teria uma vida próspera. Pelo contrário, o infeliz devia a sua miséria à sua falta de fé. O livro de Job vai colocar esse esquema em causa. Job é um homem justo, com uma fé viva, sincera. A quem, inesperadamente acontecem uma série de desgraças. Os amigos de Job interpretam essas desgraças como falta de fé por parte de Job. Mas o pobre Job sente que sempre teve diante de Deus a postura correta. Que fazer?
O que o livro sugere é a necessidade de superar o tal esquema simplista da fé. A fé verdadeira é com o um caminho difícil, cheio de contrariedades. E esse caminho árduo faz nascer dentro da pessoa uma fé mais madura. Não uma fé fácil sem perguntas mas uma fé que interpela o próprio Deus, que se pergunta pelo sentido do sofrimento inocente.

Um só Deus
Habitualmente temos claro que o povo de Israel se distinguia dos outros povos por ser monoteísta, por acreditar num só deus, enquanto os outros eram politeístas, isto é, acreditavam em vários deuses.
Na realidade, durante muito tempo, mesmo os israelitas crentes pareciam aceitar a existência de outros deuses além de Javé: "Não terás contigo um deus estrangeiro, nem te prostarás diante de um deus estranho. Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirou da terra do Egipto" (SI 81, 10-11). O importante para a fé israelita era que só Javé, que tinha chamado Abraão e dado uma descendência, que tinha libertado o povo através de Moisés, que sempre tinha acompanhado e protegido o seu povo, era merecedor de fé, de confiança.
Diante dos outros "deuses", os israelitas pareciam dizer: "eles existem mas são inuteis; só Javé nos protege e salva!"
É só depois do exílio, precisamente quando as promessas de Deus parecem ser postas em causa, que alguns sábios e profetas reagem com um forte monoteísmo. Só há um Deus. Tudo o resto são ilusões e mitos.

Desafios a reter
- Acreditar é bem mais que afirmar a existência de Alguém. É confiar em Deus.
- Acreditar é manter um estilo de relação confiante em Deus. Mas é também aceitar as propostas objectivas que Deus faz.
- O caminho da fé não é fácil. Acreditamos em Deus que nos protege e salva mesmo quando a nossa existência não mostra isso.

Vídeo - CREIO

Nenhum comentário: