widgeo.net

quarta-feira, dezembro 07, 2016

Maria Imaculada


Uma Luz importante no nosso caminho
Todos os anos celebramos uma grande festa no dia 8 de Dezembro: a Imaculada Conceição de Nossa Senhora. Esta expressão quer lembrar-nos que Maria nasceu à perfeita imagem de Deus, sem qualquer falta, sem pecado. Desde o seu nascimento, Deus a protegia. Deus amava-a como a todas as crianças da terra, ricas ou pobres, doentes ou saudáveis. Mas além disso, Deus contava com Ela para que pudesse um dia ser a Mãe de Jesus. Assim Maria foi uma menina como as outras, uma mulher comum do seu tempo. Vivia atenta à Palavra de Deus, pondo-a em prática. Pode dizer-se que deixava irradiar perfeitamente nela o amor que Deus lhe tinha.
Maria quer partilhar com quem ama, a alegria que lhe vai no coração: Deus fez nela coisas maravilhosas! É uma atitude natural para os cristãos. A nossa fé não é uma prisão nem uma obrigação. É uma resposta de alegria às maravilhas que Deus faz nas nossas vidas. Por isso, hoje é dia de partilhar com alegria. De dizer aos outros o que nos vai no coração. Não tenhamos medo se não encontrarmos as palavras certas, o importante é comunicar, fazer como Maria. Dizer que Deus não é uma ideia abstracta: é uma presença no meio de nós que dé um sabor novo à nossa vida. QUE MUDA TUDO!

Senhor Deus, ajuda-me a aprender como Maria a escutar a Tua palavra. Ela escutava aTua palavra, guardava-a no coração ao ponto de se fazer carne na pessoa de Jesus. Ajuda-me a meter Jesus no centro da minha vida.






segunda-feira, novembro 21, 2016

Advento - Tempo de Esperança


Estamos a começar o Advento. É um tempo para preparar o Natal. Ele é para todos, porque o Natal é também para todos. Vamos dando conta, a cada momento com maior nitidez, de que o Natal cristão está a ficar muito escondido dentro das nossas casas e igrejas, e até dentro de nós próprios. O consumismo e a publicidade, a rotina e a indiferença são também algumas razões que têm eclipsado o sentido da vida, o sentido da fé e da esperança. Sem ficarmos fora da órbita da vida, precisamos de corrigir o percurso da vida cristã: não só não podemos perder o sentido do Natal hoje, como também precisamos de o desenvolver sempre mais no suporte de uma fé, esclarecida e forte, para uma vivência da esperança, fundamentada e comprometida. .  A caminhada da preparação para o Natal não é mais um adorno exterior, porventura até enriquecedor da liturgia do tempo, mas uma ocasião fundamental para darmos um ou mais passos para a frente. É um Tempo para aprender a esperar Deus que vem ao nosso encontro. Mas como se faz para preparar um encontro com Deus? A Palavra de Jesus é clara: "Há que acordar!" Que estar praparados para a mudança. Acima de tudo, há que despertar o coração. Às vezes, temos o coração pesado demais. Preocupações, desilusões, enganos, falsos deuses, valores insignificantes...há muita coisa a tornar pesado o nosso coração. E vivemos, como que anestesiados. Sem capacidade de reagir com entusiasmo e energia diante de um acontecimento inesperado.

O Advento é o tempo da esperança verdadeira. O Tempo em que Jesus Se encontra com cada um de nós e mostra a bondade do Pai. Mas há muita gente que não consegue ver esta verdade poderosa. Para ver Deus que Se revela é preciso ter o coração dos pequenos, o coração puro, capaz de se abrir à LUZ. 
O Advento é como uma obra de engenharia. É um tempo para avaliar a qualidade do terreno sobre qual construímos a nossa casa, a nossa vida.
Temos coragem de escavar mais fundo, à procura da rocha verdadeira que é CRISTO? Ou contentamo-nos com terrenos frágeis, sempre instáveis e movediços, incapazes de dar solidez e dignidade ao nosso futuro? Escavar em profundidade não é só escutar a Palavra de Deus: é pô-la em prática! Transformá-la em gestos concretos
 É importante, por isso, que toda a comunidade cristã (crianças, adolescentes, jovens e adultos), individualmente e em grupo, se empenhe neste processo. O Natal não é o passado histórico, celebrado de forma mais ou menos romântica e folclórica, mas é o presente da fé comprometido com o futuro esperado e possível. DEUS não é o passado: É o hoje e o amanhã.

Temos esperança em Deus? As pessoas acreditam em nós quando dizemos que somos alegres em todas as situações porque sabemos que Deus está connosco?
O amor de Deus não perdoa apenas e sem mais…deve provocar a nossa conversão. Damos espaço a Deus para ter uma opinião sobre a nossa vida?
O que dinamiza o mundo é o amor… nunca o medo… em situações em que temos poder, usamo-lo para atemorizar os outros?
Só tem mesmo esperança em Deus quem reza. Rezamos?
Os bens de que dispomos são, em última análise, dom de Deus. Somos capazes de os partilhar? Já nos lembrámos de proporcionar um Natal mais digno a alguma pessoa ou a alguma família?
Praticamos ou praticámos algum acto de violência contra alguém (física…psicológica)?

Vídeo Advento - Ao Encontro da Luz

quinta-feira, novembro 10, 2016

Acreditar em Deus


O Antigo Testamento (=AT) não tem uma definição única de fé, mas há visões diferentes que convergem naquilo que se entende ser a fé: a correta atitude diante de Deus.
As palavras da família de "ámen" são muito usadas. Fé, acreditar (ámen) é ter um apoio para a vida. Quando há um perigo para a vida, deve-se acreditar (ter fé), confiar em Deus pois Ele nos salvará. A salvação não vem de nós mesmos mas de Deus.
Um bom exemplo para entender isso é o capítulo 7 do livro do profeta Isaías. O rei Acaz, rei de Judá enfrenta uma séria ameaça: o rei de Israel e o rei de Damasco fizeram uma aliança e preparam-se para invadir e destruir o país. Ao saberem isto, "agitou-se o coração do rei e do povo, como se agitam as árvores das florestas impelidas pelo vento" (Is 7, 2b). Mas Deus envia o profeta a convidar à fé.
Diante das dificuldades, do medo, acreditar é confiar no apoio que Deus envia. Conclui o profeta: "Se não acreditardes, morrereis (Is 7, 9). Só em Deus há apoio seguro.

O Pai dos crentes
Abraão enfrenta um perigo diferente. Não tem filhos; tudo o que construiu na sua vida perde sentido. Mas Deus convida-o a confiar. Deus desafia Abraão a partir para uma terra nova e promete-lhe uma descendência. No capítulo 15 do livro do Génesis há um belo diálogo entre Deus e Abraão. Mais uma vez, Deus começa dizendo "não temas". Podes confiar em Deus. Se Deus está aqui, não é preciso ter medo.
No versículo 6, o escritor diz: "Abraão confiou no Senhor". A atitude de fé de Abraão é a atitude de quem aceita confiar a sua vida a Deus. Abraão não confia que terá um filho pelas sua próprias forças (é já velho, tal como Sara, sua esposa); Abraão sabe que só Deus poderá superar esta difiuldade. Ter fé é confiar só em Deus e em mais nada nem em mais ninguém. A salvação, a possibilidade de futuro, nasce de uma correta (justa) atitude diante de Deus.

Moisés e a libertação
O livro do Êxodo, como relato da vida e ação de Moisés, introduz uma ideia nova: a fé é um a atitude de escuta e aceitação de uma mensagem. A fé não é apenas uma atitude genérica, uma confiança de fundo em Deus; é acolhimento de conteúdos concretos. No final da travessia do Mar vermelho, depois da derrota do faraó, diz Ex 14, 31: "Israel viu a mão poderosa com que o Senhor atuou contra o Egipto; o povo (...) acreditou no Senhor e em Moisés, seu servo."
A fé tem de ser confiança nas promessas de Deus (sobretudo na terra prometida) mas também obediência e fidelidade á aliança, com base nas ações maravilhosas que Deus fez em favor do seu povo.

A fé e a crise da fé
A certa altura caiu-se num esquema muito simplista: crer era confiar apenas em Deus; e quem acreditasse seria feliz e teria uma vida próspera. Pelo contrário, o infeliz devia a sua miséria à sua falta de fé. O livro de Job vai colocar esse esquema em causa. Job é um homem justo, com uma fé viva, sincera. A quem, inesperadamente acontecem uma série de desgraças. Os amigos de Job interpretam essas desgraças como falta de fé por parte de Job. Mas o pobre Job sente que sempre teve diante de Deus a postura correta. Que fazer?
O que o livro sugere é a necessidade de superar o tal esquema simplista da fé. A fé verdadeira é com o um caminho difícil, cheio de contrariedades. E esse caminho árduo faz nascer dentro da pessoa uma fé mais madura. Não uma fé fácil sem perguntas mas uma fé que interpela o próprio Deus, que se pergunta pelo sentido do sofrimento inocente.

Um só Deus
Habitualmente temos claro que o povo de Israel se distinguia dos outros povos por ser monoteísta, por acreditar num só deus, enquanto os outros eram politeístas, isto é, acreditavam em vários deuses.
Na realidade, durante muito tempo, mesmo os israelitas crentes pareciam aceitar a existência de outros deuses além de Javé: "Não terás contigo um deus estrangeiro, nem te prostarás diante de um deus estranho. Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirou da terra do Egipto" (SI 81, 10-11). O importante para a fé israelita era que só Javé, que tinha chamado Abraão e dado uma descendência, que tinha libertado o povo através de Moisés, que sempre tinha acompanhado e protegido o seu povo, era merecedor de fé, de confiança.
Diante dos outros "deuses", os israelitas pareciam dizer: "eles existem mas são inuteis; só Javé nos protege e salva!"
É só depois do exílio, precisamente quando as promessas de Deus parecem ser postas em causa, que alguns sábios e profetas reagem com um forte monoteísmo. Só há um Deus. Tudo o resto são ilusões e mitos.

Desafios a reter
- Acreditar é bem mais que afirmar a existência de Alguém. É confiar em Deus.
- Acreditar é manter um estilo de relação confiante em Deus. Mas é também aceitar as propostas objectivas que Deus faz.
- O caminho da fé não é fácil. Acreditamos em Deus que nos protege e salva mesmo quando a nossa existência não mostra isso.

Vídeo - CREIO